Eu Li: A Mulher Silenciosa (The Silent Wife)


Fiquei interessada em ler A Mulher Silenciosa assim que vi as primeiras divulgações de lançamento feitas pelas Intrínseca. O livro tem uma premissa interessante e fiquei curiosa para conhecer a história. Nas primeiras páginas, algumas notas de publicações ao redor do mundo só aumentaram minha curiosidade, uma vez que o livro chega a ser comparado a Garota Exemplar (que também amei!). Estava com expectativas altíssimas pela leitura.

O livro é narrado em 3ª pessoa e na primeira parte, temos o foco alternado entre os dois protagonistas: Jodi e Todd Gilbert. Os dois são casados ha mais de vinte anos e não tem filhos. Todd é um tipo de empreiteiro/investidor-imobiliário. Ele compra edifícios, reforma e revende. Quando conheceu Jodi, anos antes, esse negócio estava apenas começando e ela foi uma das grandes incentivadoras desse desejo dele. Jodi trabalha em casa como psicologa e tem clientes regulares, que ela realmente se preocupa em ajudar. Eles tem um casamento bem solido e aparentemente perfeito, mas o que ninguém sabe é que Todd é um traidor inveterado. E Jodi sabe disso, mas sempre aceitou os pequenos deslizes do marido, em prol de manter o casamento. O problema de Jodi começa quando Todd decide sair de casa para ir viver com a nova namorada, uma garota 20 anos mais jovem e que Jodi viu crescer. Ela aceitava os deslizes porque eles eram passageiros e no final, Todd voltava para casa, mas de que adiantou ser uma mulher silenciosa por tanto tempo agora que o marido resolveu abandoná-la?

Existe um motivo para que Todd decida largar a esposa pois fica claro o tempo todo que se fosse por simples opção, ele viveria tendo um caso pro resto da vida. A verdade é que apesar de ser um homem formado (rs) Todd é um grande bocó, apesar de levar a ideia da separação adiante, ele tem muitas duvidas sobre se deve mesmo fazer isso. O cara só toma decisões sob pressão além de ser totalmente manipulável. Eu não sei o que acontece com esses homens... Jodi por outro lado, não é essa mulher louca-com-orgulho-ferido que a sinopse a faz parecer. Ela na verdade não pensa em realmente matar o marido até que a ideia surge numa conversa e ela resolve por em prática. Não é como se ela fosse cometer um crime e matá-lo com as próprias mãos, ela só começa a achar que a morte de Todd é a única opção viável para que ela continue com a vida que sempre levou.

Todd é um personagem realmente cheio de nuances. A gente até se compadece dele em alguns momentos - ele não tem voz ativa nem no novo relacionamento, mas ao mesmo tempo ele é aquele tipo de cara sacana, que realmente dá vontade de matar. Eu realmente ODEIO o tipo de personagem masculino como ele. Além de passar a vida sendo infiel enquanto a esposa aceitava tudo calada, ele é indeciso demais, sem palavra, banana. Acho bom que ele tenha saído de casa porque a Jodi merecia coisa melhor! #soudessas

Uma coisa que me deixou um pouco decepcionada foi que, nas divulgações, fui levada a crer que Jodi cometeria um crime passional (ela própria) e a trama toda giraria em torno do plano ou das consequências e durante a leitura a gente percebe que não é isso. A trama gira em torno desse relacionamento decadente deles, e como cada uma das partes lida com os próprios atos e os atos do outro. A ideia do assassinato aparece já bem depois da metade do livro e de algum modo, não vi a situação como algo malicioso pela parte de Jodi - não inicialmente, já que ela não parecia querer isso.

Gostei muito de como a autora conduziu o enredo, com alguns momentos bem intensos de adrenalina misturados com passagens bem cotidianas na vida de um casal. O livro tem esse aspecto bem legal sobre cotidiano, que curti bastante! Também adorei que os dois personagens principais são bem trabalhados em suas atitudes e mesmo sendo um livro em 3ª pessoa, conseguimos entender perfeitamente o que se passa com eles. Acho que são personagens que refletem exatamente o que é ser humano; as incertezas, inseguranças, as motivações movidas pelo momento. Então, apesar de achar Todd um banana, acho que ele representa exatamente alguns tipos de pessoas.

A leitura me fez ter uma perspectiva ampliada não só sobre relacionamentos (amorosos) como sobre a vida, sobre a psique humana; sei que isso parece profundo ou piegas, mas realmente acredito que prestando atenção em alguns detalhes da leitura, você irá sentir o mesmo que eu. Apesar das poucas páginas, gostei da intensa carga psicológica que o livro tem - não só porque Jodi é psicologa, mas porque o modo como ele é narrado garante isso.
Ele a fez enxergar através das lentes do próprio olho e descobrir coisas importantes sobre si mesma, por exemplo sua extrema habilidade em ocultar o que não quer ver, esquecer o que não quer saber, tirar algo da mente e nunca mais pensar naquilo.
considero isso um super poder!
Apesar de ter gostado muito do livro e super recomendar a leitura - recomendo fortemente e acho que se você gosta de Psicologia, DEVE ler esse livro! Até eu aprendi sobre Adler - ele não se tornou um favorito, como achei que seria. Acho que a expectativa que eu estava e o fato da grande comparação com Garota Exemplar, não acabaram bem. Particularmente, ainda prefiro o livro da Gillian Flynn, embora esse seja igualmente muito bem escrito e com uma trama muito bem construída. Não sei, mas meu sentimento é de que essa comparação não é justa (para nenhum dos livros) e pelo que li por aí, muita gente concorda comigo.
Não é preciso encarar a realidade quando há uma maneira mais suave e gentil de conviver com ela. Não há nenhuma necessidade dessa urgência.
O livro tem um final que me surpreendeu bastante, não pode não ser esperado, mas pelo modo que foi conduzido. É um pouco repentino, mas de um modo que você consegue continuar vivendo! É uma pena que autora tenha falecido logo após a publicação porque não poderemos ler outros trabalhos ficcionais dela e eu gostaria de ler outros romances escritos por ela. Gostei muito da leitura e acho que o livro tem quotes excelentes! Você já leu?

Eu Li: Estranha Perfeição (Twisted Perfection)

Não sei se já deixei explicito aqui, mas eu adoro como a Abbi Glines escreve. Tudo bem que só tive experiências com a galera de Rosemary Beach, mas realmente gosto do estilo dramático-sensual-seduction da autora e adoro as tramas que ela cria! Estranha Perfeição é o primeiro livro da duologia Perfection, que faz parte da grande série Rosemary Beach. Neste livro, vemos a história de Woods (lembram dele de Paixão Sem Limites?). O legal dessas séries que misturam personagens de outras series é que a gente conhece melhor aqueles que não são tão aprofundados em outras sequências e também vemos todo o contexto de um modo mais amplo.

O livro é narrado sob dois pontos de vista: Della Sloane, a mocinha em questão, e Woods Kerrington, o herdeiro do country clube de Rosemary Beach. Della é uma personagem que não temos muita informação a principio, ela é jovem e saiu sozinha numa road trip com o objetivo de se auto-descobrir. Woods vive naquele eterno impasse entre ser/fazer o que o pai quer que ele seja/faça e ser quem ele é e tomar as próprias decisões - pobre.menino.rico.

O livro começa com um inesperado e improvável encontro entre os personagens, quando eles passam uma noite juntos e seguem com a vida. Meses depois, acabam se reencontrando e com a proximidade, percebem que aquele caso de uma noite não foi apenas-um-caso-de-uma-noite. E aí os dois tem que enfrentar diversas barreiras para ficarem juntos e viver essa paixão!

Della é uma personagem cuja a primeira impressão que você tem é a de que a garota é promiscua. Isso é algo bom, porque vai na direção oposta do que esperamos de uma mocinha, e ao mesmo tempo nos deixa um pouco encucados porque o pensamento que vem é 'mais que raios essa garota pensa que está fazendo, oh Deus?'. A gente sabe que ela está numa viagem para se libertar as amarras que a prenderam durante toda a vida e está a procura de liberdade e novas emoções, mas não acho que isso signifique ser inconsequente. Ou talvez seja apenas eu. De todo modo, Della tem umas atitudes ousadas, que eu achava meio desnecessárias, mas não to aqui pra julgar ninguém. O lado bom desse lado devasso de Della é que acho isso libertador. Quero dizer, se é um mocinho fazendo as mesmas coisas, ok. Mas a gente vê uma moça sendo assim e o primeiro pensamento que vem é aquele 'uau, que vadia'. E não, minha gente. Ela não é uma vadia. Acredito que Della seja assim por uma mistura de fatores, mas credito a maior parte a ingenuidade. Ela é meio que uma recém-criada-saída-da-adolescência e acho que a falta de experiências mundanas a deixou meio crua.

Della tem uma história de vida um pouco improvável. Viveu a vida toda trancada dentro de casa com a mãe, que sofria de um tipo grave de depressão e mania, o que a deixou extremamente desconfiada das pessoas e por isso, proibia a menina de sair. Então, quando a mãe morre e ela finalmente se vê livre para conhecer o mundo, é o que ela faz, incentivada pela unica amiga que conseguiu fazer durante essa vida reclusa.

Woods é o cara que conhecemos da série da Blair. Mas até então, a gente pensa que ele é somente o outro cara mais legal de Rosemary Beach (junto com Grant), um cara que apesar de lindo e rico não deixou de ser um cavalheiro. Um cara leal e amigo. E ele é tudo isso, mas neste livro vemos que Woods se vê oprimido pela presença do pai, que quer que ele assuma o negócio da família, mas sob condições que Woods não gostaria. Ele está sendo forçado a se casar com uma 'amiga da família' para que ambas as famílias se unam em um enorme negócio. Sei que essa fachada de casamento por conveniência parece meio séc. XIX mas dentro da realidade de riqueza e negócios que encontramos na trama, a situação toda ficou bem passível.

Quando ele e Della voltam a se ver, descobrem que para ficarem juntos terão que enfrentar esses obstáculos da vida, que envolvem o passado dela - que a assombra, e o futuro dele - que está em risco, dependo da decisão que ele tomar. O livro tem muito drama por conta desses impasses dos protagonistas, mas também tem aquele romance bem carregado de cenas eróticas.

Foi um livro que me cativou desde o principio - talvez por eu já conhecer Woods e gostar de saber outro ponto da vida dele. Della é uma personagem que apesar desses paradoxos, gostei de como a autora desenvolveu sua personalidade. Ela tem boas atitudes ao longo do enredo e acho que, apesar de ter aqueles momentos de dúvida existencial (que sempre me irritam), eles combinam muito com o background dela.

Acho que além do romance cheio de cenas hot hot, o livro tem partes carregadas de glicose que muito me animam, do tipo que me fazia suspirar - Ahhh Woods! - enquanto lia. E acima de tudo, ele tem uma das frases que um personagem que não é principal - que na verdade só aparece ao fim do livro - mais emblemáticas que já li. Eu li o livros duas vezes, e a tal frase me emocionou em ambas as leituras. O tipo de frase que marca, e que me fez adorar o personagem - mesmo que ele não tenha tanta relevância no contexto geral!

Agora estou ansiosa pela continuação - porque o livro termina num ponto BEM crítico - mas antes do segundo volume, a Arqueiro irá lançar o último (?) livro da série Sem Limites, onde saberemos como anda Rush e Blair!

Promoção "A Máquina de Contar Histórias"


Hoje vim postar uma SUPER promoção valendo muitos prêmios para quem participar! O autor Maurício Gomyde, como todos sabem, está lançando seu novo livro "A Máquina de Contar Histórias", de casa nova, pela editora Novo Conceito. Então, ele criou essa promoção entre vários blogs parceiros que vai premiar um sortudo com 1 Kindle + 1 Box Completo com seus 4 livros (O Mundo de Vidro, Ainda não te disse nada, O Rosto que precede o sonho e Dias Melhores pra Sempre) + 1 "A Máquina de Contar Histórias", todos autografados.

Sinopse: Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias , o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das fi lhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família V. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.
Adicione ao seu Skoob.



Para participar basta seguir as seguintes regras:
  1. Seguir o Maurício Gomyde pelo Instagram e/ou Twitter.
  2. Deixar um comentário nesta postagem  com os dizeres "Eu quero conhecer A Máquina de Contar Histórias"
  3. Preencher o formulário abaixo com as informações corretas. - Não esqueça de escolher o Hey Evellyn! como blog de origem :)

Você pode participar mais vezes conhecendo os outros blogs participantes, no blog do Maurício você confere todos os blogs e pode ganhar mais chances!

Boa Sorte!

Eu Li: Silo (Wool) + Promoção

Silo é um livro que eu conheci quando fui a 3ª Turnê Intrínseca. Saí de lá completamente louca de curiosidade e fiquei num estado de espirito que passei a indicar o livro para todos os amigos, mesmo sem saber exatamente sobre o que ele se tratava. A premissa é muito boa e vou logo dizer que eu não estava errada. O livro cumpre o que promete e ainda surpreende! Vamos àquele resumo esperto - sem spoilers - e em seguida meus comentários gerais (vou tentar não me empolgar) sobre a trama. 
  • Você pode ler o 1º Capitulo AQUI.
  • Visite o site oficial AQUI
Silo se passa num futuro (não-tão-distante) distópico e como o nome sugere, se passa num silo. Mas aí você me pergunta o que raios é um silo e neste caso, o silo é uma especie de prédio super desenvolvido, só que ao invés de ficar sobre a superfície, ele fica abaixo, estendendo-se por 143 andares de profundidade. As pessoas tem que viver neste tipo de instalação porque o ar na superfície ficou super tóxico e impróprio para a vida, então, todos os sobreviventes ao seja lá o que aconteceu para o mundo ficar assim, passaram a viver neste local. O Silo é enorme e todos que lá vivem cresceram desta forma, então eles não tem exatamente outro padrão de comparação. Como um sociedade moderna, eles também tem seu governo, suas leis e suas penalidades para aqueles que desobedecem.

No primeiro andar do Silo (que é o mais próximo a superfície) existe uns telões onde os moradores podem observar a paisagem devastada e sem vida e o que possibilita essa observação são três câmeras que se encontram do lado de fora. Acontece que de tempos em tempos, essas câmeras vão ficando embaçadas (claro, o ar ta super poluído) e é preciso que alguém vá lá pra fora limpá-las. Como ninguém quer ir pro exterior (já que ele é nocivo), a limpeza das câmeras é usada como penalidade máxima para aqueles que cometem crimes graves. Um dos crimes considerados mais graves é a pessoa duvidar do sistema e falar sobre sair dali. As pessoas não costumam fazer isso, primeiramente porque elas sabem que é crime e ninguém quer ser punido e também porque elas não conhecem outro modo de vida então estão conformadas com aquilo.
— Na verdade, eu acho fofo.
Marnes bufou.
— Essa é uma palavra horrível para usar referindo-se a um homem da minha idade.
Um pouco de entrosamento e romance porque nem só
de drama e escadarias vive-se num Silo.
O livro é narrado em 3ª pessoa, mas acompanhamos a trama pela perspectiva de diversos personagens ao longo da narrativa. Começamos conhecendo o xerife Holston, que tem anos de serviço no Silo mas resolve pedir-pra-sair. Como fazer menção a isso já é crime, ele acaba tendo o que quer. Holston é assombrado por um caso que aconteceu com sua esposa - que foi mandada para a limpeza - e após três anos de seu falecimento, ele não aguenta mais a vida lá. Nesta primeira parte também conhecemos o delegado Marnes e a prefeita Jahns, que juntamente com Holston, trabalham e cuidam do Silo há anos.
Melhor se unir a um fantasma do que ser assombrado por ele. Melhor não ter vida do que ter uma vida vazia.
Mas a lei é a lei e como ela precisa ser cumprida, principalmente por quem as faz valer, Holston é mandado pra limpeza. Todo mundo que é mandado para a limpeza, durante a preparação para a saída, diz que não vai limpar - afinal, a pessoa tá sendo mandada para a morte, pra que limpar as drogas das câmeras e deixar a vista limpa pra quem tá em segurança lá dentro? - mas por algum motivo, as pessoas saem e acabam limpando.
Jahns reconheceu uma verdade terrível [...]: a prática bárbara trazia mais que alívio psicológico, mais que apenas uma vista clara do exterior - também fortalecia a economia do silo. De repente havia uma justificativa para viajar. Uma justificativa para vender e comprar.
Após a saída do xerife, é preciso encontrar outra pessoa para ocupar o cargo dele, já que o delegado Marnes (que deveria assumir) não aceita. Então, ele e a prefeita saem pelo Silo - rumo as profundezas - para chamar a pessoa que Marnes acredita ser ideal para o cargo. Entendam que Marnes e a prefeita já não são jovens (passaram dos 60), então imaginem o que é descer o Silo todo - e depois ter que subir! Ah, eu não mencionei, mas não existe elevador lá. Todos se locomovem entre os andares por meio de uma escadaria então não é comum as pessoas trafegarem entre os níveis muito acima ou abaixo de onde vivem e trabalham.

As profundezas são os níveis mais baixos do Silo, onde fica a mecânica, que é o maquinário do Silo. Os andares do Silo são divididos por atuações e o Silo todo é divido em outras três seções, e cada uma dessas seções tem sua delegacia, seu mercado (como se fossem bairros). O que Marnes e Jahns não esperavam é que chamar Juliette para o cargo poderia acarretar muito mais problemas do que soluções.

Quem já viu o livro, sabe que ele é bem grandão e esse meu pequeno-grande resumo não é 1/4 da história completa. O fato do livro ser narrado em 3ª pessoa proporciona diversas visões sobre o que se passa em vários lugares do silo e essas narrativas intercaladas, servem para nos fazer conhecer vários personagens e suas perspectivas em relação a um mesmo assunto. O livro acaba interligando a vida de todos esses personagens e embora Juliette seja a grande protagonista, conhecemos outros personagens de grande importância nesse organismo vivo que é o silo.
Pensar, tudo bem; os pensamentos são enterrados junto com quem pensou.
Essa narrativa que intercala pontos de vistas também faz parte da estratégia de manter o leitor interessado. Cada capitulo acaba narrando sobre um personagem e é muito interessante como o autor conseguiu fazer ótimos ganchos finais, o que nos faz querer ler sem parar, pra descobrir o que está acontecendo em outras partes do silo, com outros personagens, ao mesmo tempo que mantém o mistério sobre o personagem que ficou em suspenso até que a narrativa volte a focar nele.

Eu poderia escrever mais detalhes sobre o enredo, mas o melhor de Silo é que toda a trama é instigante justamente pela nossa falta de informação e pela curiosidade em se descobrir o porquê dos acontecimentos. Por que as pessoas limpam as câmeras? Por que o ar ficou tóxico? Qual é o grande lance em relação a este modo de vida? Qual é a conspiração?

Silo faz parte de uma trilogia que já foi finalizada no exterior. O autor escreveu os livros em forma de novelas e publicava de modo independente da Amazon, até que virou um sucesso e ele adaptou a história e formou os três livros que compõe a trama. Os próximos são Shift (que se trata de um prequel, onde descobriremos como a sociedade foi parar ali) e Dust (o livro final, que costura passado, presente e futuro). O sucesso foi tanto que o livro teve os direitos de adaptação vendidos e virará filme em algum momento #oremos. A editora Intrínseca lançou o 1º volume a pouco tempo e ainda não tem previsão de lançamento dos demais, mas vamos lendo este para que não demore!

~ Sorteio ~

E como eu quero que todos leiam - e venham conversar comigo sobre essa trama - a editora Intrinseca liberou um sorteio do livro aqui pro blog!!