Lista de Séries de Livros

Dia desses Mah e Henri estavam conversando sobre um desafio que a Mah fez ao Henri há algum tempo que consistia em  listar as séries de livros que estavam completas/em andamento/ abandonadas na vida deles. Achei interessante, então peguei a dica da Mah (que também postou sua lista no #beda) e resolvi fazer minha própria lista do sofrimento... Confesso... Foi complicado ver minha situação literária assim...

A lista de séries está em ordem alfabética! Eu posso ter esquecido uma ou outra, mas tentei fazer direitinho conferindo com minha estante de lidos.

Séries em Andamento
  1. A Ovelha e o Dragão (2/3)
  2. A Seleção (3/5)
  3. Ai.Meus.Deuses (1/2)
  4. Anna, Lola & Isla (2/3)
  5. As Peças Infernais (1/3)
  6. Batidas Perdidas (1/4)
  7. Becky Bloom (1/6)
  8. Belo Desastre (2/)
  9. Cabeça de Vento (1/3)
  10. Cretino Irresistível (1/3)
  11. De Repente (1/3)
  12. Delírio (2/3)
  13. Diário de Uma Garota Nada Popular (2/7)
  14. Garotos (2/4)
  15. Hex Hall (1/3)
  16. Inside Girl (1/6)
  17. My Favorite Mistake (1/3)
  18. No Limite (1/5)
  19. Noite Eterna (2/4)
  20. O Guia do Mochileiro das Galáxias (1/5)
  21. O Verão que Mudou a Minha Vida (1/3)
  22. Os Legados de Lorien (6/7)
  23. Os Mistérios de Heather Wells (1/5)
  24. Para Todos os Garotos que Já Amei (2/3)
  25. Perdida (1/?)
  26. Química Perfeita (1/3)
  27. Real (1/3)
  28. Riley Bloom (3/4) 
  29. Rosemary Beach (10/15)
  30. Sem Limites (3/4)
  31. Silo (2/3)
  32. Tangled (1/4)
  33. Um Caso Perdido (1/2)
  34. Vingança (1/3)
  35. Wild Cards (1/?)
Séries com Continuações Somente em Inglês
  1. Ecos da Morte (2/4)
  2. Linhas (2/3)
  3. Nas Sombras (1/3)
  4. Personal Demons (2/3)
  5. Predestinados (1/3) - Por favor Intrínseca, publica o resto, nunca te pedi nada (mentira, vivo pedindo mil coisas à Intrínseca )!!!
Séries Finalizadas
  1. Chance (2/2)
  2. Cinquenta Tons de Cinza (3/3)
  3. Crepúsculo (4/4) 
  4. Garota ♥ Garoto (6/6)
  5. Heróis do Olimpo (5/5)
  6. Hush Hush (4/4)
  7. Os Imortais (6/6)
  8. Perfeição (2/2)
  9. Vampiro Apaixonado (2/2)
Séries Abandonadas
  1. Divergente (1/3)
  2. Easy (1/2)
  3. Estilhaça-me (1/3)
  4. Fallen (1/5)
  5. Gossip Girl (6/12)
  6. Instrumentos Mortais (1/6)

P.S.: Os livros de série considerados meio não estão na conta. Alguns eu li e outros não, mas como não estão na conta, não considerem!

Eu Li: A Garota do Calendário - Janeiro (January - Calendar Girl #1)

Fiquei empolgada com A Garota do Calendário assim que a editora Verus anunciou que lançaria por aqui esta série super badalada lá fora. Primeiro teve todo o lance da escolha das capas (que rendeu) e acho que de todo modo o marketing deles está de parabéns, porque foi criada uma expectativa pro lançamento da série por aqui. Eles começaram a lançar neste segundo semestre e como os livros já estão todos liberados lá fora, aqui eles estão laçando 2 livros por mês (até o final do ano já teremos tudo disponível). Confesso, uma série de 12 livros não é algo que figura na minha lista de desejos de compras simplesmente porque sei dos gastos que terei pra adquirir os 12 livros, mas quando eles anunciaram que quem comprasse Janeiro e Fevereiro na pré-venda ganharia um caderninho personalizado, meu espirito compulsivo de compras de livros não resistiu (e olha, eu teria uma desculpa) e comprou!

O lado bom é que assim que peguei o livro, vi que ele era bem pequeno (cento e poucas páginas), então não seria um problema encaixá-los entre minhas leituras e foi exatamente isso que fiz para ler Janeiro. O levei para praia e li tudo de uma vez só - eu sei que sempre falo aqui, mas entendam, sou uma pessoa devagar para ler e quando consigo ler um livro em um dia é uma dádiva!

Mia Sauders está precisando de MUITO dinheiro e a oportunidade de conseguir esse dinheiro (e muito mais) surge na agencia de sua tia: a Exquisite Acompanhantes de Luxo (ainda estou me perguntando porque não traduziram o Exquisite, uma vez que em português fica parecendo esquisito e eles poderiam ter facilitado tudo traduzindo Exquisite Escorts por completo - embora talvez ficasse repetitivo... Enfim, seguindo!). Certamente não é o que ela gostaria de fazer, mas como tudo é uma necessidade de vida ou morte, Mia acaba aceitando a proposta. Durante UM ANO ela vai trabalhar como acompanhante. Como precisa de uma grande quantia, seu contrato com cada cliente será mensal, então a cada mês durante o ano, ela será acompanhante de um contratante,

O primeiro cliente é Weston Charles Channing III (adoro esse nome, vem com poder embutido), ou simplesmente Wes, um jovem roteirista que explodiu no cenário cinematográfico. Wes contrata Mia pois precisa de uma mulher para o acompanhar em eventos da industria - uma mulher que possa afastar mulheres interesseiras enquanto ele faz contatos (abro um parenteses pra dizer que nem vou comentar essa questão do motivo da contratação porque o meu eu feminista começa a se manifestar e não quero fazer textão aqui porque já teve manifestação em outra resenha esta semana mesmo).

Como se trata de seu primeiro cliente, Mia vai ao encontro cheia de  desconfiança, mas ela se surpreende porque o homem é um pedaço de bom caminho um cara bacana, não um pervertido - como ela imaginara ser o tipo de homem que contrata acompanhantes. Vale frisar que a EAL é uma empresa de acompanhantes de verdade, não de prostituição, então o contrato de Mia não envolve sexo - exceto é claro, que ela e o cliente queiram! Apesar de não estar no contrato, existe algo meio subentendido que vai rolar tudo pode acontecer porque os clientes são homens bem apessoados (olha eu em 1946) e o sr. Janeiro é a primeira prova disso.

Acho que pela divulgação todo mundo sabe o que esperar desse romance então só vou dizer aqui que este livro é realmente uma delícia (não queria usar essa palavra, mas está tarde enquanto escrevo e não consigo pensar numa melhor) de ler, não digo nem só pela questão do romance, mas sim porque o clima da trama e o local que ela se passa é muito agradável (a imaginação! rs). Como eu disse, é um livro curto, então não existe enrolação quanto aos acontecimentos e encontramos uma história bem sucinta, mas nem por isso, pouco explicada/trabalhada. A trama é bem amarradinha, mesmo contando com pouco espaço para desenvolvimento (digo, não tem tantas páginas) e eu realmente não achei que as coisas ficaram mal explicadas ou pior, pareceram corridas - como poderia acontecer. Acho que Audrey Carlan conseguiu desenvolver bem a trama e os personagens mesmo sem ter tantas páginas e fiou aquele tipo de livro que você lê e acredita no que está acontecendo (entendem?). Muitas vezes, em romances, as coisas parecem mal ajambradas e a gente não consegue assentir com o que está lendo - por parecer forçado ou repentino - mas acho que nesse ponto esse livro foi bem sucedido e tudo ficou bem crível, aceitável.
— Estou dentro, Aonde vamos?
Sorri e joguei o cabelo rebelde, recém-saído da cama, por cima do ombro.
— Para onde a moto nos levar. A questão não é o destino. É a viagem que conta.
[...]
— Que profundo - ele disse, sem expressão.
Eu o empurrei.
— Cala a boca!
Ele riu.
eles são fofos juntos, vai...
Sobre a parte erótica do babado - porque é um romance hot - eu não sei bem o que comentar... Confesso que quando a coisa toda aconteceu pela primeira vez eu quase murchei porque eu estava esperando um pouco mais de... Resistência? Mas entendo - e isso não ficou ruim - que a trama precisava movimentar dessa forma (afinal, o livro tem poucas paginas, se fosse pra enrolar nisso...). No mais, o livro tem aquelas cenas tipicas cheias de explosão e descrições e aquilo tudo que a gente sempre lê (ahahah - eu não consigo parar pra refletir sobre essas cenas porque se eu ficar pensando nas palavras usadas eu fico: 1- constrangida. 2- encabulada. 3- com muita vontade de rir. Sério, essas autora fazem curso pra arranjar tantas formas de escrever a mesma coisa!). Mas o que eu posso comentar é que a química entre Wes e Mia é algo realmente palpável e eu fiquei muito na expectativa e na torcida por eles - mesmo sabendo que ainda restam 11 homens e o que será que vem por aí...

Esse é justamente um ponto agoniante sobre o livro - e a serie: a autora fez um primeiro protagonista muito gostável e construiu um romance entre eles muito fofo e aí a gente fica torcendo, mas sabe que ainda tem muita estrada pela frente e aí #comofaz?

Eu estou totalmente #TeamWes mesmo sem saber o que vem pela frente (o que é comentado sobre o sr. Fevereiro neste volume eu tenho a dizer: sobre a aparência dele, não tem como não gostar do sósia do Ben Affleck, mas sobre a personalidade...  Acho difícil superar - e na verdade vou fazer birra - Wes). Espero que neste ano Mia encontre alguns caras não-tão-legais porque realmente não quero gostar de todos os clientes dela - e acho que nem faria sentido! A gente já amou o Wes, os outros tem que ser menos legais, não é mesmo mesmo? E acho que precisa ter uns clientes meio malas pra ter aquele toque de realidade #dessas.

E aí, você já conhece a série,? O que está achando?

Desejos de Quinta #43


Raio de Sol - Bright Side é um livro que aguardei o lançamento porque ouvi falar sobre ele quando a editora Planeta o anunciou nos lançamentos de 2016 e esse livro é MUITO bem quisto lá fora. É o tipo de livro jovem que trás uma mensagem sobre superação apesar do que a vida trás e isso sempre me interessa. Essa capa é uma surpresa porque a capa original é apenas laranja com o titulo e nome da autora, mas o que dizem é que a capa é totalmente coerente com a trama (tem algo de não se levar pelas aparências, conteúdo é o que importa e tal) e eu quero muito ler pra saber porquê - embora entenda, e goste, do fato da Planeta ter feto uma capa mais trabalhada pro livro aqui. 

Eu Sem Você - Achei esse livro interessante porque geralmente gosto de livros que tem nomes com esse sentido (alias #revelação, eu tenho um livro que trata de um assunto assim e tem um nome parecido). Como o nome indica, essa é a história de alguém que perdeu outro alguém. Pelo que li, o livro é contato sob os dois pontos de vista e aí a gente vai descobrindo o que ocorreu nessa relação pra fazê-la chegar ao fim. Acho a temática interessante, então coloquei na minha lista de desejados - além disso, sempre gosto de romances que também são contados pelo homem e não só pelo ponto de vista feminino da relação.

Uma Morte Horrível - primeiramente eu quis ler esse livro por conta desse titulo que é TOTALMENTE uma coisa a_minha_cara! Eu inclusive já falei muito isso! Hahahahah ♥ Esse livro é um quadrinho escrito por uma famosa quadrinista francesa. A sinopse não revela muito do enredo, só que a protagonista trabalha demais, tem um namorado nada gentil e é nada intelectual, não sabendo a diferença entre Balzac e Batman (eu ri com isso, mas pensando bem, não faz muito sentido porque mesmo sem ser intelectual, qualquer pessoa certamente conhece o Batman....É.)


Morangos Mofados - esse também está no mesmo grupo de livros que encontrei na visita a livraria e eu  fiquei bem empolgada em encontrá-lo assim, numa edição novinha, porque já ouvi falar muito nesta obra de Caio Fernando de Castro - o escritor mais hippie desse Facebook, que eu já usei varias frases pra definir momentos da minha vida e certamente teria usado muitas como subnick de MSN se já o conhecesse na época. Em citações dele é bem comum  creditá-las a esse título então eu realmente quero conferir - porque é tanta coisa creditada a CFA que a gente nunca sabe o que é verdade ou não....


Namorado de Aluguel - eu quis ler esse livro a primeira vista por conta dessa capa. Aì vem esse título totalmente Sessão da Tarde (meu estilo). Então minha amiga Lisse leu e me recomendou porque achou que seria mesmo meu estilo (ela me conhece) e tem o fato de ser da Kasie West, uma autora que não conheço, mas tem livros lançados por aqui por outra editora (Encruzilhada). Só que o fato sore Kasie West é que eu já havia visto livros dela e gostado num passeio pelo GoodReads ( porque eles tem  que? Capas e títulos legais)

Eu Vi: Deus Não Está Morto (God's Not Dead)

Há algum tempo eu vi no cinema Deus Não Está Morto II (e comentei muito no Instagram). Tinha colocado o filme na lista porque vi o cartaz com a Melissa Joan Hart e também achei a sinopse interessante porque, apesar de não frequentar nenhum templo religioso, sou uma pessoa que acredita em Deus, cristã, e gosto de ler e ver coisas sobre o assunto. Não me importei de assistir ao segundo filme sem ter visto primeiro porque vi que eram tramas independentes e não senti nenhuma dificuldade para acompanhar - inclusive, recomendo muito o filme (e não só pela presença de Jesse MetCalfe como o advogato mais lindo dos últimos tempos). Este fim de semana estava arrumando meu quarto e fui olhar alguma coisa pra assistir na Netflix enquanto isso e Deus Não Está Morto constava como o 1º filme na lista 'Em Alta' e eu resolvi aproveitar a aproveitar a oportunidade para assistir porque eu já tinha essa pretensão em algum momento. Dei o play e, eu, que de inicio estava planejando continuar arrumando as coisas enquanto assistia, acabei parando tudo pra assistir com calma!

O filme conta a história de um aluno calouro na faculdade que vai cursar uma aula de filosofia e o professor da aula, logo na primeira aula, ao fazer uma introdução sobre o que será sua matéria, manda que todos os alunos escrevam 'Deus Está Morto' em uma folha e entreguem a ele - como uma forma de garantir que todos na aula já concordaram com isso e não vai haver discussões relacionadas ao assunto. Mas esse aluno, Josh, que é cristão, não aceita escrever uma coisa que ele não acredita só pra atender a proposta do professor e com isso acaba arrumando um problema com o professor Radisson - que só pra constar, é ateu.

Como o professor se sente desafiado por um simples aluno iniciante, ele manda que, já que Josh acredita tanto que está certo e que Deus está vivo, que ele prove para ele e os demais alunos fazendo palestras ao final de suas aulas. Como Josh é muito convicto de suas crenças e sua fé, ele aceita e começa a estudar MUITO para falar em sala de aula. Mais do que provar algo ao professor e aos colegas de classe Josh sente que essa é sua missão (como um chamado divino) e por isso aceita o desafio. O problema é que, por ter que estudar mais e dedicar mais tempo em pesquisas para provar sua fé - porque ele não poderia apenas dizer 'Deus está vivo porque sim, porque eu acredito' (que é basicamente do que se trata a) e tinha que arranjar provas  cientificas e tudo mais, Josh acaba percebendo que sua provação vai além.

O enredo tem diversos núcleos que estão ligados de uma forma ou de outra - e eu fiquei bem feliz em ver que alguns personagens que eu conheci no segundo filme, já faziam parte da trama desde esse primeiro.

É claro que esse é um filme da industria cinematográfica cristã, então obviamente, ele tem toda essa pegada de enriquecimento espiritual - e dependendo do ponto de vista, o filme pode ser considerado um tanto quanto evangelizador demais. Mas não quero focar nesse aspecto, até porque, apesar de ter lido algumas críticas bem duras que falam sobre essa vertente do filme e entender o que o crítico disse, não sou radical a ponto de considerar o filme um instrumento tão poderoso (?) assim - ou talvez eu apenas seja muito escaldada no assunto e nada seja o suficiente para me converter. É, sou o tipo de pessoa irremediável).

Na verdade, quis escrever sobre esse filme por esse motivo. Eu entendo ambos os lados: de quem é cristão e adorou o filme-  porque ele é realmente muito bonito, tocante, inspirador - e também entendo o lado laico que considera o filme bem tendencioso. Como eu escrevi lá em cima, apesar de não seguir uma religião especifica, eu tenho muita fé (e digamos que se fosse pra escolher uma religião, tenho uma que se enquadra mais no que eu acredito, mas isso não importa!), e mais do que assistir a qualquer filme pela proposta religiosa que ele tem, realmente gosto de conhecer pontos de vistas diversificados sobre fé & religião e acho que esse filme tem uma mensagem bem bonita - mesmo concordando que em alguns momentos ele tem esse lado mais doutrinador.

Além da história de Josh, que se vê nessa situação de ter que defender sua fé, o livro ainda tem outras tramas paralelas tão interessantes quanto - mas todas focando nessa questão de 'acreditar ou não em Deus? Aceitar ou se revoltar perante os desafios propostos pela vida? Expor ou esconder sua fé?'. Apesar de ver esse lado tendencioso do filme, gostei muito dos temas falados - repetindo: mesmo que eles estejam mesmo se aproveitando de todos eles para passar uma mensagem especifica.

Mas como o próprio filme cita e como todos nós sabemos nesse mundo - e essa internet nos ensinou bem - as coisas estão aí para quem quiser ver, mensagens são passadas o tempo inteiro e cabe a você decidir o que fazer com elas, se acredita ou não, se elas vão te tocar ou passar direto pelos seus ouvidos. Temos o nosso livre arbítrio pra isso mesmo - vamos usá-lo com sabedoria!!

Eu sou muito sensível e as tramas me fizeram chorar em muitos momentos - tem umas coisas muito tocantes, que fazem refletir - e eu sempre fico sensível quando vejo a a situação imaginando o lado do outro, Outro ponto que preciso citar sobre o filme que eu gostei demais é a presença dos amigos (e pastores) Dave e Jude! Os momentos com eles são os melhores - e eu já os conhecia do segundo filme. E também tem música da banda The Newsboys (que também está no segundo filme) e essa banda tem um som gospel bem legal (rock'n'gospel).

Sendo teísta ou ateísta, acho que é um filme interessante para se assistir - mesmo que seja pra conhecer uma perspectiva diferente da sua. Então - sem querer catequizar ninguém - apenas deixo aqui uma sugestão de filme interessante e emocionante para se assistir caso você esteja procurando algo. Ele está disponível na Netflix. Para conhecer o trailer clique aqui (mas aviso, esse trailer pode revelar DEMAIS e parece muito essas propagandas religiosas).