Eu Li: A Garota que Você Deixou Para Trás (The Girl You Left Behind)

Esse livro é o mais novo lançamento da Intrínseca, da autora Jojo Moyes (de quem sou fã desde que li seu primeiro livro lançado por aqui, pela mesma editora: A Última Carta de Amor). Jojo até agora não me decepcionara e obviamente, eu tinha altas expectativas em relação a essa leitura – que foram plenamente correspondidas. A Garota é um livro comovente, surpreendente e emocionante, não contrariando o que eu esperava da autora.

Começamos a leitura com uma narrativa em primeira pessoa por Sophie Lefèvre, em tempos de Primeira Guerra Mundial. Sophie vive com a irmã, o irmão e os sobrinhos num vilarejo ao norte da França, cuidando de um antigo hotel da família, enquanto o país é assolado pela guerra e ocupado por alemães. Os maridos de ambas foram mandados para lutar na guerra e elas precisam aprender a conviver com as incertezas e obstáculos que toda a situação gera. Com as tropas alemãs tomando conta de todo o território, o hotel delas acaba sendo ‘escolhido’ como restaurante oficial e Sophie e a irmã precisam se resignar e fazer banquetes para os inimigos, mesmo quando toda população local mal tem o que comer.

É um cenário bem triste por conta de todo o clima de guerra (já comentei que não gosto de ler sobre guerra porque me sinto abaladamente sensível com toda a situação). Porém, o encantador é que apesar desse plot, a autora soube moldar tão bem as situações que mesmo sendo algo que não estou habituada a ler, acaba causando enorme empatia e vontade de saber o que acontecerá. 
... tentava me lembrar de que havia um propósito nisso tudo: que a questão crucial da fé é que ela precisa ser testada.
O que mais gostei, é que apesar da presença forte da guerra, a atmosfera é bem familiar e a narrativa em primeira pessoa faz com que se sentir na pele de Sophie não seja um problema. Eu realmente consegui compreendê-la em todas as suas decisões e de certa forma, me identifiquei muito com a personalidade dela porque ela tem uma fé inabalável na natureza humana e eu sempre tento ser assim.
– Sophie, minha querida, com a sua fé, seu otimismo cego na natureza humana. - Ela meio que sorriu para mim, e foi uma coisa terrível e sinistra. – Você não tem ideia do que eles vão fazer conosco.
Na segunda parte do livro, vamos para os tempos atuais, em 2006 e conhecemos nossa protagonista Liv Halston - agora com a narrativa em terceira pessoa - uma jovem viúva que ainda não conseguiu seguir em frente, mesmo fazendo quatro anos da morte do marido. Liv mora numa Casa de Vidro no centro de Londres, que fora construída por seu marido arquiteto para eles morarem. Desde então, Liv vive fazendo trabalhos de freelancer como revisora, cuida de uma fundação em nome do marido e tem a parte dele numa firma de arquitetura.

Numa noite em que decide sair de casa para tentar espairecer, Liv acaba conhecendo Paul McCafferty, um cara interessante que a ajuda numa situação e eles acabam se envolvendo. O que Liv não imaginava é que apesar da ajuda, Paul acaba se tornando o maior problema logo quando ela acha que está se apaixonando e eles dormem juntos.
Ele tem uma cortesia inata, é o tipo de homem que abre a porta para uma mulher por instinto, não por estar fazendo um gesto cavalheiresco, mas sim porque não lhe ocorreria não abrir a porta se alguém precisasse passar por ela.
E aí você me pergunta onde as histórias se encontram e a ideia toda é tão linda e fantástica que eu estou aqui rindo e chorando enquanto escrevo esta resenha #aloka. Acontece que lá em 1916, durante a guerra, Sophie tinha em seu hotel esse quadro (que acaba ganhando o nome de A Garota que Você Deixou para Trás) que é um retrato seu, pintado por seu marido. O tal quadro desperta interesse do Kommandant responsável pela área do hotel e as circunstâncias levam a alguns acontecimentos que ficam em aberto durante grande parte da leitura. Em 2006, o mesmo quadro pertence a Sophie e ela não imagina a procedência do objeto até o dia que recebe uma notificação de uma empresa dizendo que a família Lefèvre está contestando a posse do mesmo. 
No intimo, me agrada a ideia de que a gente pode ter um quadro com força suficiente para abalar um casamento.
Existe uma lacuna de tempo em que ninguém sabe onde esteve o tal quadro e é preciso desvendar todo o passado não só sobre o quadro como também a vida de Sophie e descobrir o que acontecera para o quadro ter chegado as mãos de Liv de uma forma aparentemente inofensiva. Eu adorei que o livro tem romance e também esse clima de investigação, com tribunal, mistério e a gente passa toda a leitura se perguntando o que realmente aconteceu e como as coisas chegaram àquele ponto. Acho que Jojo trabalhou essas nuances muito bem e adorei descobrir tudo aos poucos, com a expectativa aumentando a cada virada de página, a cada descoberta.

Vou por esse livro no TOP 2014 porque ele é absolutamente LINDO! Sabe o que é terminar de ler um livro e ao mesmo tempo que sente um alivio por ter finalizado a história e descoberto sua conclusão você se sente um pouco triste porque não vai mais estar com aqueles personagens? FOI COMO FIQUEI! Eu praticamente quis recomeçar a ler o livro imediatamente (porque agora leria tudo com uma nova perspectiva, já que sabia todos os mistérios) e só não o fiz porque fiquei refletindo como escrever a resenha e relendo alguns trechos para fazer a cronologia e encaixar as descobertas. Há!
Está acostumada com isso: um desejo físico quase avassalador de se retirar, de estar sozinha nas ruas escuras, sem precisar ser absolutamente ninguém.
Vou terminar dizendo que essa resenha originalmente tinha 3 laudas, mas tive que resumir tudo para não ficar cansativo (e cortar os spoilers, pois vocês sabem que sou The Queen of), mas o importante aqui, que quero deixar registrado é que eu realmente QUERO que VOCÊ leia este livro. Se você passar por ele,  compre, se conhecer um amigo que tenha, não perca a chance e leia! Acredito que seja uma história que vá agradar a moças e moços (tem romance, tem reviravoltas, tem suspense e tem guerra!) e fiquei tão comovida (eu CHOREI) que acho que é um livro que merece sua atenção e que deve ser lido. Leia assim que puder. Estou até me sentindo generosa e pensando que talvez seja capaz de emprestar o meu, só pra que outra pessoa possa se emocionar como eu ao conhecer a história.

A parte melhor é que como eu AMEI demais esta leitura e quero mesmo que você leia, em parceria com a Editora Intrínseca, vai rolar um sorteio aqui no blog! É só seguir as opções pelo formulário abaixo e garantir muitos números para o sorteio, que será realizado no começo do próximo mês.

11 comentários:

  1. li da autora Como eu era ante de você, e foi um dos meus favoritos de 2013 *-*
    livros com cenários em Guerra normalmente não me agradam, mas quero abrir uma excessão para este, pois aprece ser muuuuito bom!
    pode deixar que eu vou ler este livro sim!
    vou ler e vou ler LOGO! :D:D:D

    ResponderExcluir

  2. Nunca li nada da autora, mas sempre vejo bons comentários sobre. Estou doida de vontade de ler algum livro com histórias de guerra, não sabia que esse livro tinha essa passagem de dois tempos, bem interessante. Gostei muito da resenha, e pode deixar que já está na minha lista de próximas leituras, conseguiu me conquistar! hahaha

    Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  3. O fato de presente e passado se encontrarem de uma forma tão bonita torna o livro mais incrível e me deixa com mais vontade de ler! :)

    ResponderExcluir
  4. Elvis Souza

    Nunca li um livro como esse que fala sobre guerra, parece ser bastante triste e emocionante :'(

    ResponderExcluir
  5. Oi Eve,

    Esse livro já entrou para a minha listinha de desejados do skoob só por ser da Jojo Moyes. Gente, como eu me emocionei com "Como eu era antes de você". Virou um dos favoritos sem dúvida!
    E como tenho certeza de que "A garota que você deixou para trás" inevitavelmente me arrancará mais algumas lágrimas, já quero pra ontem! E você praticamente intimando os seguidores e ler, aí não tem jeito, vou ter que ler de qualquer maneira! kkkkk
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Hey Evellyn!
    O link para o post a ser compartilhado no facebook está corrompido? Não apareceu aqui. =(

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto muito da escrita da autora desde que li o livro Em busca de abrigo, fiquei encantada, e gostando muito da Intrínseca publicar os outros livros dela, com certeza vou ler todos, esse em particular por ter tudo que gosto em uma leitura, o tema me agrada muito, quero chorar e em emocionar como você.Gostei muito dos cotes, já estou curiosa com o restante da leitura.

    ResponderExcluir
  8. Eu estou absolutamente louca para ler esse livro. Ao contrario de vc devoro tudo sobre Guerras, principalmente se a historia se passar na segunda Grande Guerra, acho fascinante até onde pode ir a falta de humanidade do ser humano, mesmo porque, junto com tudo isso, sempre aparece historias lindas de amor, de caridade, de afeto pelo proximo. Esse livro tem um tema tão singelo, que já se evidencia na capa. A historia parece ser doce, linda mesmo. PReciso ter, preciso ler.Preciso me emocionar. Bjkss

    ResponderExcluir
  9. Eu quase comprei o livro anterior dessa autora, o Como eu era antes de você, mas uma amiga disse que era triste e que ela chorou rios. Fiquei com pé atrás e ainda não dei uma chance ao livro. O A garota que você deixou para trás, pela sua resenha, pareceu mais o meu estilo… vamos ver, né? Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li, mas com certeza já está na minha lista ~rs~

    http://tudoquemotiva.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Roberta, perdi seu cometário, mas esse livro tem um final 'feliz', por assim dizer... O A Ultima Carta é um dos meus favoritos dela e o final é... Bem, digamos que não é tão destrutivo qnt o Como Eu Era... Mas leia sim, igual ao Como Eu Era ela não fez outro (que eu tenha lido)
    bjss

    ResponderExcluir

- Adoro saber a opinião dos leitores! Deixe seu comentário e eu responderei no seu blog, mas nada de comentários ofensivos hein?