Eu Li: Tartarugas Até Lá Embaixo (Turtles All the Way Down)

Depois de um longo inverno (não sei o porquê, mas amo essa expressão e quis usá-la) John Green voltou a nos agraciar com um livro todinho escrito por suas mãos de mago (perdoem a breguisse, acho que estou meio enferrujada, e principalmente, nostálgica, então preparem o vocabulário para coisas do tipo). Depois do estrondoso (olha isso) sucesso de A Culpa é das Estrelas, Green nunca mais tinha escrito um livro inteirinho e todos os fãs ficaram órfãos. Mas cinco anos se passaram e John  Green resolveu o problema dos nerdfighters com mais um livro fresquinho. Eu fiquei animadíssima quando soube do livro na época da Bienal Rio e, obviamente,a expectativa era ainda mais alta. Então vamos começar essa resenha!

O livro é narrado por Aza Holmes, nossa protagonista. Aza está no segundo ano do ensino médio e estuda na White River High School, em Indianópolis. Aza tem dois amigos próximos, Daisy e Mychal e é completamente apaixonada por Harold, seu Corolla azul brilhante. É realmente a personagem mais apaixonada por um carro que eu já li - e já li umas pessoas bem apaixonadas pelo próprio carro.
Vemos adultos tentando preencher o vazio com bebida, dinheiro, D , fama ou com o que quer que idolatrem, e tudo isso faz com que apodreçam por dentro, até não sobrar nada além do dinheiro, da bebida ou do Deus que eles acharam que era a salvação.
essa citação é maravilhosa. Uma facada de realidade.
O grande lance da trama de Aza é que ela tem TOC, num grau bem pesado. E talvez você nunca tenha levado o transtorno bsessivo ompulsivo muito a sério (existe tanta piada a respeito desta doença, né), mas a real é que é um transtorno psicológico muito complicado e a forma que ele afeta a vida da Aza é realmente assustadora e como o livro é narrado por ela, nós estamos o tempo todo dentro-da-cabeça-dela, vivendo as fases mais complicadas do que ela enfrenta. A história do livro é muito interessante porque embora a gente tenha esse contato bem próximo à doença da protagonista, a trama tem todo um clima de investigação. Acontece que Aza, influenciada por Daisy, começa a investigar o paradeiro de um bilionário acusado de corrupção, pois ela já fora amiga do filho desse cara. Aí Daisy convence a amiga a se reaproximar do menino para ver se descobrem algo - porque existe uma recompensa - e a trama toda se desenrola entre essas amizades, reencontros e buscas.

É um livro com uma leitura muito fluida, muito fácil, mesmo quando Aza está tendo um surto compulsivo e está falando nomes de bactérias que eu nem sabia que existia. Acho que John Green sabe trabalhar muito bem as medidas porque apesar do livro ser bem focado nesse problema pessoal de Aza, as partes sobre outros assuntos conseguem contrabalancear bem e isso torna a leitura muito agradável. Por exemplo, a amizade de Aza, Daisy e Mychal é um dos pontos altos do livro e quando conhecemos Davis Pickett - o jovem do pai fugitivo - a interação entre ele e Aza, além de toda a importância para o desenvolvimento da trama, é realmente empolgante. 
Eu não conseguia me fazer feliz, mas conseguia fazer as pessoas ao meu redor infelizes.
eu sinto muito isso
Eu tento não ser fã do John Green, mas é impossível não admitir que o cara tem um apelo forte para escrever para jovens porque ele consegue escrever de forma crível, tocante e ainda assim interessante e cheio de significâncias para o leitor. Eu comecei esse livro já batendo palmos porque a forma que ele conseguiu descrever um transtorno, de um modo que fica tão tangível é realmente de se admirar. Eu não tenho TOC, mas por ter outros probleminhas psicológicos, achei extremamente sensível e admirável a forma que ele conseguiu escrever a Aza. Acho que livros assim são importantes para o jovem ler, porque expõe assuntos que não são comumente abordados, mas que podem ser um diferencial na vida de quem passa por ele ou conhece alguém - ou apenas quer se informar. Não se assuste com o título exótico. Ele significa tudo depois que você lê - e a capa
Tenho a sensação de que você só gostar de mim de longe. Preciso que gostem de mim de perto.
Terminei o livro completamente tocada pela história. E o final desse livro é muito bonito, sabe? É o tipo de final que você pode reler tempos depois e ainda se emocionar porque ele consegue transmitir tudo, fazer um compiladão de toda a trama e causar a mesma sensação da primeira leitura - e digo isso porque eu reli o final outras vezes. O livro todo é muito bom e o final é igualmente lindo. Não é um "final feliz" - estamos falando de John Green, eu não esperaria por algo tradicional - mas é o final ideal. Eu cheguei a considerar o final 'triste', mas é o tipo de final que tem um significado maior do que um adjetivo desse nível. É um final que casa muito com a trama e isso me deixa bem satisfeita. 

Foi um livro que gostei tanto logo de cara que saí recomendando aos meus amigos que lesse também, pra que eu tivesse com quem conversar sobre o livro enquanto lia (obrigada Mah, Vivi) e foi muito bom porque pudemos discutir o final do livro e as sensações que ele causou em nós. Então eu realmente recomendo que você leia Tartarugas Até Lá Embaixo! Leia com os amigos, leia sozinho, apenas leia. E venha conversar comigo sobre ele porque ele definitivamente entrou no meu TOP 1 John Green. É meu livro favorito dele.
O problema dos finais felizes é que ou não são realmente felizes, ou não são realmente finais, sabe? Na vida real, algumas coisas melhoram e outras pioram. E aí a gente morre.
John Green é John Green, não é mesmo?

2 comentários:

  1. Olá, Evellyn
    Ainda não li esse livro, mas ele esta no top da minha lista de desejos.
    Li A Culpa É das Estrelas e me apaixonei por John Green. Tenho certeza que vou morrer de amores por Tartarugas até lá embaixo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu estou com esse livro aqui na estante faz um tempinho e agora vou pegar para ler depois da sua resenha, fiquei bem curiosa com a história, amo o autor, os cotes estão fantásticos.

    ResponderExcluir

- Adoro saber a opinião dos leitores! Deixe seu comentário e eu responderei no seu blog, mas nada de comentários ofensivos hein?