Eu Li: O Acordo (The Deal)

O Acordo é um desses livros NAs que está na minha lista desde que foi lançado por aqui (e faz tipo, 3 anos), mas como minha lista cresce em exponencial, acabou que ele ficou esquecido. Eu sou um tipo de leitora meio obsessiva: fico tempos sem ler e aí eu viro traça e leio 14 livros em uma semana (ok, exagerei, mas foi pra exemplificar a situação). Esses últimos dias ando bem empolgada com as leituras (obrigada meus bebês Henri e Carol) e surgiu a chance de ler esse livro, então, aproveitei.

Vou começar com um comentário aleatório, mas que merece todo meu respeito: O Acordo é um desses casos de livro NA que a capa consegue ser fofa sem ser constrangedora e aplaudo a editora Paralela por isso. Quase não acreditei quando vi a capa original do livro lá fora, porque é tão diferente dessa proposta que fizeram aqui - e que eu acho TÃO coerente com a trama - que eu realmente não consigo imaginar porquê acharam aquela capa boa para essa história... Então vamos para essa resenha empolgada e sem spoilers.

O Acordo é um livro narrado sob dois pontos de vista, de Hannah Wells, nossa mocinha, e Garrett Grahan, nosso garotão. Eles estudam na Universidade de Briar e são de grupos bem distintos na escala social que sempre vemos em filmes de high school ou universidades americanas. Hannah é uma artista, estuda música, canta, trabalha numa lanchonete para ajudar com as despesas dos estudos, mora num alojamento da faculdade e é uma boa aluna. Garret é jogador de hóquei no gelo, capitão do time, divide uma casa com os amigos de time, estuda história, tem uma vida social agitada e tem foco total nessa rotina esportiva: ele quer se profissionalizar, então é muito focado.

Sim, você pode estar achando meu resuminho inicial bem 'ok, já li isso 387 vezes', mas você precisa entender que a Elle Kennedy realmente usa os maiores clichês sobre romance universitário, mas com diferenciais que fazem esse livro se tornar bem diferente dos outros 386 que vemos por ai.

Nossos protagonistas entram na vida um do outro após Garrett tirar 0 numa prova de Ética e por acaso (amo os acasos) descobrir que Hannah gabaritou a prova. Apesar de ser atleta, Garrett leva os estudos bem a sério pois ele precisa manter a média boa para participar dos jogos, caso contrario, tem que deixar o time. E depois dessa bomba, ele precisa recuperar a nota na segunda chamada da prova para que nada atrapalhe seus planos. Depois de muita insistência, Garrett consegue convencer Hannah a ajudá-lo para a prova e eles fazem UM ACORDO. Hannah o ajuda com a matéria, e Garrett a ajuda a 'ficar popular' para conseguir atenção do cara que ela ta interessada desde o inicio do semestre.

Vocês já perceberam onde isso vai parar? EXATO. É isso mesmo. Nada novo nesse terreno. Eles começam a estudar, vão criando uma amizade, acaba rolando o tal beijo 'sem querer querendo', eles tentam negar, MAS NÃO CONSEGUEM e então, estão juntos. A principio tudo ocorre daquele modo 'vamos ver onde isso vai, vamos nos pegar sem apegar' MAS NÃO CONSEGUEM. E é isso aí como a gente achou que ia ser.

Agora estou pensando como convencer você a ter vontade de ler esse livro se eu fiz um resumão tão completo e factual. Pois bem. Não preciso enfeitar esse pavão. O Acordo é exatamente o que ele se propõe a ser: um livro sobre jovens, com todo aquele clima de amizade e aquelas descobertas e mudanças que passamos quando encontramos um amor - nossa, as vezes eu sou tão piegas que não me aguento, mas continue, vou melhorar. Os protagonistas formam uma ótima dupla, os coadjuvantes são interessantes, a trama é cheia de reviravoltas e muito divertida. Eu fiquei empolgada de verdade!

O Acordo tem um ritmo maravilhoso e você consegue ler muitos capítulos sem cansar, além disso, a trama é bem cheia de ganchos, de modo que a gente não tem vontade de parar porque precisa saber o que vai acontecer a seguir. Eu sempre comento que ão sou uma leitora veloz, ou ainda, raramente consigo ter disposição pra ler uma trama de uma vez só, mas esse é bem o tipo de livro que dá pra fazer isso (eu não fiz, mas qualquer leitor mais concentrado consegue).

Ando numa fase em que leio os NAs a procura de atitudes alarmantes dos mocinhos. A gente sempre precisa ficar atenta aos comportamentos estranhos desses jovens porque tem muito boy-lixo por essas tramas, mas fico feliz em dizer que achei Garrett totalmente Ok. Só tive um momento com ele que fez meu alarme soar, mas desconfio que foi um problema meu com a tradução ou apenas um momento e nada fez apitar o alarme, então ponto para ele. Hannah também me deixou bem contente porque geralmente acabo odiando a mocinha em alguma atitude besta no decorrer da trama, mas Hannah manteve a promessa e também ganhou pontos. E esse é o grande diferencial desse livro da Elle Kennedy, apesar de ter uma trama bem recheada dos clichês que sempre vemos por aí, Elle conseguiu fugir de algumas soluções obvias mesmo quando usou recursos que estamos acostumados. Eu quero dar um beijo nessa autora porque fiquei muito AGRADECIDA por como ela resolveu contar essa história #dessas

Para não dizer que achei tudo perfeito, tem um detalhe que acontece no decorrer da trama que eu achei bem mal explicado ft desnecessário ft serio mesmo? mas que entendo qual foi a intenção da autora ao utilizá-lo. Eu estava comentando com amigos enquanto lia e quando me falaram isso eu nem acreditei que estava mesmo acontecendo, porque realmente não levei a sério, mas no final da trama isso fica bem explicito e tive que revirar os olhos.Nem tudo é perfeito, não é mesmo....

Terminei o livro com uma vontade imensa de continuar lendo a série Amores Improváveis (nossa, também não consigo aceitar essa tradução pra série Off-Campus, mas enfim) e em breve começarei a ler O Erro, então esperem mais resenhas aqui. Pelo que já imagino e já conversei, não acho que ele possa superar meu amorzinho por O Acordo, mas eu gostei tanto da criatividade da Elle, mesmo quando escreve o maior clichê, que merece um crédito.

Um comentário:

- Adoro saber a opinião dos leitores! Deixe seu comentário e eu responderei no seu blog, mas nada de comentários ofensivos hein?